Segunda-feira, 28.06.10

As "tartarugas" nasceram, finalmente!

 

Capa novo romance

Quatro anos depois, entre paragens mais ou menos longas, semi-abandonos, remissões para a gaveta das impressões imprecisas, mudança de editora, e uma primeira proposta de capa nada, mas nada mesmo recomendável, o romance PARA ONDE VOAM AS TARTARUGAS tomou a forma definitiva, com capa sugestiva e bastante moderna - a meu ver, claro.

 

 

As personagens, finalmente alforriadas do jugo da tecla, preparam-se para a sua maioridade e independência, largados nesse mundo da ficção afora, esquecendo-se do próprio autor e entrando noutras vidas, por outros leitores.

 

São poucos ainda os exemplares disponíves, apenas para a imprensa e o autor. Segundo a casa editora (Editorial Caminho), depois de 21 de Julho estará disponível nas livrarias de Portugal.

 

Mas antes, esperamos, algumas dezenas estarão disponíveis na Feira do Livro Português, a ser inaugurada na Cidade da Praia, dia 7 de Julho. os primeiros leitores serão os cabo-verdianos.

 

 

 

 

publicado por Joaquim Arena às 09:25 | link do post | comentar
Segunda-feira, 08.06.09

Manuscritos de Arménio Vieira na Casa Fernando Pessoa

Se, como disse Mário Fonseca, Arménio é filho de Pessoa, então é em casa do pai que devem estar expostos os manuscritos do filho.

 

A Casa Fernando Pessoa inaugurou hoje, na sua biblioteca, onde ficará patente até dia 20 de Junho, uma exposição de manuscritos inéditos e livros do poeta cabo-verdiano Arménio Vieira, galardoado com o Prémio Camões 2009.

Ver o resto da notícia Aqui

 

publicado por Joaquim Arena às 20:56 | link do post | comentar
Quinta-feira, 04.06.09

Entrevista possível ao Conde de Silvenius: “Já fumei mais de quatro maços de cigarros, estou só a leite...”

 
 
 
Estavas à espera desta notícia?
Sim. Na última vez que estive aí, em Lisboa, na Casa Fernando Pessoa, já se falava nisso.
Como reagiste?
Recebi um telefonema de alguém com sotaque brasileiro a dizer que eu tinha ganho o Prémio Camões e pensei: bom, o dia 1 de Abril, o das Mentiras, já passou, assim como o Carnaval, por isso deve ser mesmo verdade...
Que estavas a fazer, na altura?
Estava no computador do meu sobrinho a colocar os acentos no meu próximo livro...
Já tem título?
... O ministro da Cultura de Portugal também ligou, logo a seguir, a dar-me os parabéns. Mas o (poeta) Corsino Fortes ligou-me também a confirmar tudo e então aí eu fiquei mais descansado.
E que vais fazer com os 100 mil euros de prémio?
Ainda não pensei muito nisso... se calhar fumar um maço de cigarros a mais por dia... e vou oferecer um carro novo à minha noiva.
Achas que alguma coisa vai mudar na tua vida?
A minha vida? Calças jeans coçadas, chinelos de borracha como sempre, e sem esquecer o meu chapéu, claro... e a a franja e o cabelo pintado, também. Mas o título do meu próximo livro já to posso dar: “Poema, a Viagem, o Sonho”.
E já está pronto?
Foi integralmente escrito num telemóvel.
Telemóvel?
Sim. A uma média de dois, três textos por dia. Tem cerca de 120 poemas, entre curtos e longos. Pesa mais ou menos o mesmo que o livro dos 100 poemas da Sofia (de Mello Breyner Andersen)
É o teu quinto livro, não é?
Sim.
Não achas que é pouco para um Prémio Camões?
Olha lá, Juan Rulfo também não escreveu apenas dois livros (Pedro Páramo e Planície em Chamas) e não foi Prémio Nobel da Literatura? E Baudelaire? As Flores do Mal, colocados numa balança, pesam menos do que o meu próximo livro.
E já tens editor em Portugal?
Antigamente andava atrás deles. Agora acho que vou fazer um leilão...
Tens um livro publicado em Portugal,”No Inferno”, na Editorial Caminho.
Sim. Mas o Zeferino Coelho estava com problemas para o vender. Deu-me cem contos, na altura, mas nem sei ao certo se conseguiu recuperá-los.
Achas que ainda não tens nome, fora de Cabo Verde?
Alguém me disse, há pouco tempo: “ Se já tivesses editado no Brasil já terias ganho o Prémio Camões”. Mas agora as coisas mudam de figura.
O Prémio caiu-te de pára-quedas?
Para essa eu tenho uma boa resposta, escuta, escrevia-a mesmo esta manhã: “O mundo caiu-me em cima embrulhado num cheque de 100 mil euros...” (pausa) “eis uma boa razão para eu protelar a minha morte” (pausa), que tal?
E já pensaste no teu discurso na cerimónia da entrega?
Estou sem passaporte. Tenho passaporte português e cabo-verdiano, mas neste momento nenhum está válido. Mas isso eu trato em dois dias, não é?
E quando vens a Portugal?
Por mim ia já hoje. O único problema é ter que usar fato e gravata, nessa coisa da cerimónia. E se eu levar só o casaco? Podia vesti-lo sem enfiar os braços, como o Jaime Figueiredo. Mas estou a pensar em antecipar a minha ida. Ando muito cansado com esta coisa do Prémio Camões, sabes? Estou só a leite, desde ontem... e já fumei mais de quatro maços de cigarros.
 

 
publicado por Joaquim Arena às 21:26 | link do post | comentar

Arménio Vieira, Prémio Camões 2009: A pacata rotina de um Eleito do Sol

 

Arménio Vieira, Prémio Camões 2009, vai ter a sua pacata rotina alterada nos próximos dias. As chamadas telefónicas e os pedidos de entrevistas dos jornalistas irão chover, é um facto. Para um homem pouco dado a entrevistas a situação anuncia-se, no mínimo, catastrófica. Refugir-se-á no seu “Castelo”, o andar misterioso que o poeta habita, no Plateau, a zona histórica da Cidade da Praia?
Tudo indica que não. Arménio Vieira não é dos que vive em busca de fama ou do estrelato. Será um incómodo, pois claro. E a sua pronta reacção à atribuição do Prémio: “Eu estava à espera de ganhar, não pensava era que fosse tão cedo” não deixa de conter um sedimento daquela vaidade salutar de quem não está para estas “miudezas” de prémios literários. A vida vivida uma manhã, uma tarde de cada vez. Sessenta e oito anos de idade, numa face jovial de poeta sem tempo.
Irá continuar a frequentar a sua segunda casa: a esplanada do Café Sofia, na Praça do Liceu, na Praia. E, como sempre, ocupará o centro das atenções dos amigos, colegas, literatos, populares, que ali se sentam atraídos por aquele olhar rebelde de eterno “Rimbeau das ilhas”. Nele vêem mais do que um simples poeta da terra. O escritor que um dia resolveu sair de Cabo Verde e escrever uma surprendente novela – O Eleito do Sol - passada no Antigo Egipto. E o deserto ali tão perto.
Apesar dos 100 mil euros embolsados com o Prémio, Arménio Vieira não deixará de surgir pela rua, quando o sol é mais clemente, de SG entre os dedos, sandálias ou chinelos, calças arregaçadas como um pescador de Raul Brandão (confesso  admirador do escritor português). Fará um aceno junto à barbearia da esquina, antes de se sentar na esplanada para mais uma tarde de imensa e sempre surpreendente prosa.
De um dos lados estarão aqueles  que querem continuar a auscultar a sua douta opinião sobre os resultados da última jornada do campeonato regional de futebol; que se dirigem ao mestre em crioulo e no seu prosaico crioulo de badiu branco escutam aquela prosa humorada de saber e ironia.
Do outro lado, estarão talvez o poeta lírico Mário Fonseca, ou outro literato, jornalista ou professor universitário da capital ou de passagem; aguardarão, avidamente, o seguimento de uma reflexão sui generis sobre os hábitos de um dos heterónimos de Fernando Pessoa, ou de como Sócrates resolvia os seus dilemas pessoais.
E se o tema for – como habitualmente acontece - o mundo e as pessoas, os mais sortudos terão o privilégio de saber como eram as ruas de Samarcanda ou de Tashkent, nos anos setenta, e como era viajar pelas Repúblicas da Ásia Central, como jornalista, numa delegação do Partido Comunista da União Soviética. Se o mestre estiver inspirado, ficarão a saber como a Bíblia, lida numa cadeia da PIDE, aos vinte anos, pode ser incontornável companhia para a solidão e profundamente inspiradora para uma carreira literária.
Antes do sol se pôr, o cinema será inevitável: Brando, Fonda, Bogart, Rita Hayworth, Marilyn, Ford, Welles... frases inteiras memorizadas por este fanático de “Há Lodo no Cais” (as mangas viradas, imitando a estrela Brando/Terry Malloy ) e James Dean, mas também Johny Depp, Brat Pitt, Denzel Washington e Morgan Freeman.
Os filmes da sua vida passar-lhe-ão pelos olhos, numa alucinante e vertiginosa torrente de títulos: westerns,  realismo alemão, russo, italiano. A tarde continuará lenta e em viagem, por entre duas dezenas de cigarros comprados em pacotes a candongueiros de passagem e breves pausas para um “tete à tete” com alguma das suas “meninas” de ocasião. Vestígios, quem sabe, de paixões outrora avassaladoras, irresistíveis, pagas com dor e amizade, aliás como o próprio Arménio descrev, em tom confessional, no mais do que autobiográfico romance “No Inferno”.
Mas não se espere que ele vá falar da sua obra – dois livros de poemas (“Poemas” e “Mitografias”) e dois romances (“O Eleito do Sol” e “No Inferno”). A obra, aparentemente escassa, é lapidar, para ser digerida com o caldo do tempo. Própria de um autor evasivo e arredio a avanços intempestivos de editores e jornalistas, apressados agentes literários acidentais, preocupados com a sua mais que alietória produção.
No final do dia - depois de uma longa viagem por Hollywood, através dos problemas existencias de Pessoa, Grécia antiga, a enigmática revelação de São Paulo no caminho de Damasco -, Arménio Vieira perguntará as horas e dirá, erguendo-se: “Bem, meus senhores, está na hora do Comboio para Katanga...”. E levantar-se-á, de cigarro nos lábios, para regressar ao seu “Castelo”, onde o esperam mais horas de futebol e cinema, pela noite dentro, nos muitos canais de televisão, via antena parabólica - a última janela para a eternidade.
 
 
publicado por Joaquim Arena às 21:24 | link do post | comentar
Segunda-feira, 11.05.09

Letras em Lisboa: Germano Almeida e as "verdades da História"

Para o nosso cronista e escritor Germano Almeida, as verdades "são muitas" e escrever uma biografia qualquer implica sempre "ficar enquadrado num certo rigor histórico e de factos".

 

Entenda-se que rigor e ditadura de factos não são propriamente elementos que constem da escrita do autor de "O Testamento  do Sr. Napomuceno".

 

No segundo dia do colóquio Letras em Lisboa II, que decorreu no Teatro São Luiz e organizado pela Casa Fernando Pessoa, Germano Almeida dividiu o painel Literatura, história e biografia com os escritores Fernando Morais (biógrafo de Paulo Coelho) e Leonor Xavier, com a moderação da brasileira Lúcia Araújo.

 

Germano  refereriu a sua experiência que foi escrever Viagem pela História de Cabo Verde (editado em Portugal pela Caminho), em que o principal objectivo foi "escrever sobre a História de Cabo Verde numa linguagem mais próxima das pessoas". No entanto, confessa, quando acabou o livro "disse às pessoas para não acreditarem em tudo o que escrevi".  

 

Fernando Morais, jornalista e escritor brasileiro, falou da experiência que foi escrever uma biografia de Paulo Coelho, o escritor de língua portuguesa mais lido no mundo. "Fiquei sem saber como começar, pois que o Paulo Coelho é uma espécie de Mick Jagger dos livros, uma espécie de fenómeno pop".

 

Morais, também autor de uma biografia de Chateaubriand (um gigante da imprensa brasileira do século XX) contou como decidiu iniciar a vida de Paulo Coelho como se uma "câmera o seguisse num tour pela Europa Oriental.

 

publicado por Joaquim Arena às 12:29 | link do post | comentar
Terça-feira, 24.03.09

Luxemburgo, terra lusófona

 

 

No Salon du Livre de Luxembourg ouvia-se falar mais português e crioulo (Ferro Gaita presente+ Bar restaurante típico) do que francês ou alemão ou mesmo essa língua estranha e desconhecida chamada luxemburguês. Por falar nisso, o país é limpo, limpo até de mais, a cidade é linda, o centro histórico como que saído de um conto de fadas, com um Shrek a surgir a qualquer momento subindo a calçada.

 

Mas o povo não me pareceu feliz, apesar de ser o mais rico do mundo. Durante cinco dias pensei no assunto, intrigado. Até que descobri porquê. Não existem, por incrível que pareça, cantigas em língua nacional. Existem em francês e alemão. Um povo que não canta na sua própria língua não pode ser feliz. Sabemos bem do que estamos a falar.

 

No Salon, o Luandino divertiu-se e divertiu-nos, sorrindo com as barbas de um verdadeiro "Papa" Hemingway, pela pena e pelos dias que conheceu, estórias, por entre caminhadas matinais pela floresta. O António Gonçalves e o José, numa soirée memorável pela história do cinema.

 

E os primos sul-americanos espantados com a organização do evento e radiantes por conhecerem estes escribas de "habla" portuguesa, tão chegados aos seus costumes andinos, por incrível que pareça.

 

E, finalmente, a Paca Rimbeau, organizadora, anfitriã, de olhos muito anfíbios de tanta emoção.

 

publicado por Joaquim Arena às 19:56 | link do post | comentar

Joaquim Arena

pesquisar neste blog

 

posts recentes

últ. comentários

tags

Posts mais comentados

subscrever

arquivo

blogs SAPO